(51) 3061-2129

A Razão Assessoria é composta por profissionais experientes, continuamente treinados, utilizando amplamente os mais novos recursos oferecidos pela informática.São mais de 16 anos de experiência e com conhecimento de quem presta serviços à vários segmentos de mercado. A informatização de nossos processos representa rapidez na emissão de relatórios e no controle.

Impostos, prazos, formas de pagamento, legislação trabalhista, fiscal... Estes dados estão sob constantes mudanças, devido a adaptações políticas e econômicas no município, estado e país. Informações atualizadas sobre estas questões são fundamentais para evitar futuros problemas, como multas. Deixá-lo informado é mais que uma obrigação da Razão Assessoria, é a sua bandeira e o seu diferencial.


Parcerias com assessorias Juridicas:


Trabalhista ; Civil; Revisionais ; Tributarias


Ultimas Noticias

Guedes fala em livre comércio com China: veja principais produtos negociados

Presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil, José Augusto de Castro, avalia que abrir mercado aos chineses, neste momento, seria suicídio comercial. A exportação brasileira para a China está concentrada em três produtos básicos: soja, petróleo e ferro respondem por 83% das vendas. O Brasil compra da China principalmente itens industrializados como plataformas de petróleo, produtos manufaturados e eletrônicos. Dados do Ministério da Economia mostram que, em 2017 e 2018, respectivamente, o Brasil registrou superávit comercial (mais vendeu do que comprou) de US$ 20,16 bilhões e de US$ 29,19 bilhões. Nos dez primeiros meses deste ano, o saldo positivo somou US$ 21,45 bilhões. O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quarta-feira (13) que o governo brasileiro estuda a formação de uma área de livre comércio com a China. A declaração foi feita durante seminário do banco dos Brics. Guedes não deu detalhes das tratativas. "Estamos conversando com a China sobre a possibilidade de considerarmos uma ?free trade area? [área de livre comércio]. Estamos buscando um alto nível de integração. É uma decisão. Queremos nos integrar às cadeias globais. Perdemos tempo demais, temos pressa", afirmou o ministro no seminário. Nesta quarta e quinta-feira (14) é realizada em Brasília a 11ª cúpula do grupo formado por cinco países emergentes: Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Guedes afirmou, ainda, que não se incomodaria se o atual superávit se equilibrasse mais à frente. Para isso, disse, as exportações brasileiras poderiam avançar 50%, enquanto que as compras feitas no país asiático poderiam dobrar ou, até mesmo, triplicar nos próximos anos. Para ele, o importante seria uma integração maior com a China. Principais produtos exportados para a China em 2018 soja: 43% das vendas externas petróleo: 23% do total ferro: 17% do total celulose: 5,4% carne bovina: 2,3% ligas de ferro: 1,4% Principais importações da China em 2018 plataformas de petróleo: 11% do total produtos manufaturados: 10% circuitos de telefonia: 3,7% aparelhos transmissores e receptores: 3,5% químicos orgânicos: 3,1% circuitos integrados: 2,5% Associação em 'suicídio comercial' Para o presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, um acordo de livre comércio com a China teria que ser intermediado pelo Mercosul ? bloco regional que engloba o Brasil, a Argentina, Paraguai e Uruguai. De acordo com ele, as regras do grupo impedem negociações tarifárias bilaterais entre duas nações, sem passar pelo Mercosul. Na avaliação do economista, atualmente o Brasil não teria condições de fazer um acordo de livre comércio com a China, pois isso poderia representar, em sua visão, uma "quebradeira" da indústria nacional ? ao competir com produtos chineses no mercado doméstico. "Nesse momento, abrir o mercado seria um suicídio comercial", afirmou. Castro cita que a China praticamente não tem acordo comercial com nenhum país diante do baixo custo dos produtos chineses. "Além de custo não competitivo, também temos o custo Brasil, adicional de cerca de 30% sobre os produtos manufaturados", afirmou ele. Ao detalhar o custo Brasil, o presidente da AEB citou, por exemplo, a infraestrutura brasileira ruim e as regras tributárias complicadas. "Aprovada a reforma previdenciária, se a reforma tributária vier a ser aprovada, além de alguma evolução nos investimentos em infraestrutura e finalização do portal único de comércio exterior, isso pode reduzir custos e tornar o produto brasileiro mais competitivo", declarou Castro. Atualmente, concluiu o presidente da AEB, o Brasil não tem "condição nenhuma" de competir com a China. "Nosso preço é fora da realidade. [A abertura comercial] tem que ser uma coisa lenta e gradual, na medida em que conseguimos reduzir o custo Brasil", disse. Leia Mais

Concurso da Câmara Municipal de Santa Rita, PB, divulga resultado preliminar da prova objetiva


Concurso oferece 10 vagas de ampla concorrência para cargos de assistente e técnico legislativo, contador e procurador e assessor jurídico. Concurso da Câmara Municipal de Santa Rita divulga resultado preliminar da prova objetiva Mano de Carvalho/Arquivo O resultado preliminar da prova objetiva do concurso da Câmara Municipal de Santa Rita, na Região Metropolitana de João Pessoa, foi divulgado nesta quarta-feira (13), pela Comissão Permanente de Concursos (CPCon). Veja o resultado preliminar da prova objetiva do concurso da Câmara Municipal de Santa Rita O concurso oferece dez vagas de ampla concorrência divididas em duas para agente legislativo, três para assistente legislativo, uma para assessor jurídico, contador, procurador jurídico e técnico legislativo, cada. Para pessoas com deficiência, foram oferecidas uma vaga para agente legislativo, assistente legislativo e técnico legislativo, cada. Também foram divulgados os resultados dos recursos quanto às provas objetivas, que podem ser consultados no site da organizadora. O resultado final do concurso deve ser publicado no dia 29 de novembro, de acordo com o edital. Leia Mais

Google vai oferecer contas correntes a usuários em 2020, diz jornal


Projeto, que se chamará 'Cache', será realizado em parceria com o Citi e uma cooperativa de crédito da Universidade Stanford. Escritório do Google em São Paulo. Thiago Lavado/G1 O Google vai oferecer contas correntes a usuários no próximo ano em parceria com o banco Citi e uma pequena cooperativa de crédito da Universidade Stanford, afirmou uma fonte a par do assunto nesta quarta-feira (13) ao jornal "The Wall Street Journal". O projeto se chamará "Cache". "Nossa estratégia é de sermos grandes parceiros de bancos e do sistema financeiro", disse Caesar Sengupta, vice-presidente de pagamentos do Google, em entrevista ao "Wall Street Journal". "Pode ser um caminho um pouco mais longo, mas é mais sustentável", disse Sengupta, ao jornal. O "Wall Street Journal" afirmou que existe uma grande quantidade de dados e informações sobre gastos dos consumidores e sobre renda em contas bancárias. O Google, no entanto, afirmou que não pretende vender dados financeiros dos clientes para anunciantes e que não usa dados do Google Pay para fins publicitários. O serviço Google Pay já é popular em países como a Índia, onde tem mais de 67 milhões de usuários mensais e é utilizado para pagamento de tudo desde compras de mercado até corridas feitas pela Uber. Google Pay agora permite usar débito para comprar on-line O projeto Cache segue movimentos da Apple e do Facebook, de ingresso na indústria financeira. O Facebook anunciou a moeda digital libra em junho e a Apple firmou uma parceria com o banco Goldman Sachs para emissão de um cartão de crédito. Questionado a respeito dos planos do Google, o senador norte-americano Mark Warner, democrata que participa de painel do Senado que fiscaliza os bancos, afirmou que tem algumas ressalvas sobre o projeto. Warner afirmou à rede CNBC nesta quarta-feira (13) que sua preocupação é que gigantes da tecnologia entrem em novas áreas antes de haver regras para isso. "Creio que é preciso haver uma fiscalização muito intensa", acrescentou. Leia Mais

Via Varejo apura denúncia de irregularidades contábeis


Investigação está na segunda fase e primeira etapa não encontrou falhas. Empresa divulga balanço do terceiro trimestre nesta quarta. Loja da Casas Bahia, da Via Varejo Marcelo Brandt/G1 A administração da Via Varejo, que desde junho voltou a ser controlada pela família Klein, informou nesta quarta-feira (13) que recebeu denúncias sobre supostas irregularidades contábeis entre o fim de setembro e o início de outubro e que, depois disso, criou um comitê para investigar o caso. O comunicado foi feito à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), órgão que regula o mercado de capitais no país. A Via Varejo é dona das lojas Casas Bahia e Ponto Frio. Segundo a companhia, os trabalhos de investigação foram divididos em duas fases, sendo que a primeira já foi concluída e não confirmou as denúncias. A segunda fase se encontra em andamento e, até agora, não mostrou fatos novos. Com isso, a Via Varejo concluiu preliminarmente que "não existem efeitos materiais" aos resultados do terceiro trimestre que serão divulgados nesta quarta, após o encerramento do pregão. A empresa disse ainda que, assim que a segunda fase da investigação for concluída, o comitê responsável irá apresentar suas conclusões ao conselho de administração e que serão avaliadas eventuais medidas adicionais. Leia Mais

Indicadores

Acesso Rapido

Receita Federal SEFAZ-RS JUCERGS CAIXA Banco do Brasil
Razão Assessoria Contábil - Todos os Direitos Reservados
Criação de Sites em Porto Alegre